Gostaria de compartilhar

Certas músicas, cheiros e situações conseguem me fazer viajar pra lugares totalmente distantes. E quando digo ‘distantes’ falo de tempo também. Hoje cheguei em casa, abri a geladeira e me deparei com um pote cheio de jabuticabas. Me lembrei de quando todos os tios e primos se reuniam na casa da minha vó. Todo mundo novinho, subíamos nos muros das casas pra roubar goiaba. Comíamos ata e caju. E caju tinha que comer de calcinha, pra não manchar a roupa. É engraçado lembrar, acho até que naquela rua todo mundo passou pela fase de andar sem roupas. Mais engraçado é pensar que todo mundo cresceu e lembra dos outros andando daquele jeito, haha. Grande coisa. Lembro que no calor de Bela Vista, a gente enchia uma piscininha de plástico e entrava aquele pelotão de primos dentro. Sem contar o banho no tanque, que aliás, acho que é outra coisa que todo mundo por lá já fez. Esperávamos naquelas tardes quentes e sem vento algum, o velhinho do picolé ou do sacolé passar e comprávamos montes e montes, para durar a tarde inteira. Comíamos xipa e me dá até água na boca só de imaginar aquele ‘pão de queijo crocante’. De vez em quando íamos nadar no Apa, naquela época eu ainda não tinha medo de arraia e nem fazia idéia de que elas existiam por lá. Certa vez fizemos uma ‘torre humana’ tão grande, umas quatro ou cinco pessoas. É, talvez não fosse tão grande assim, mas quando a gente é pequeno tudo parece ser maior… falando em tamanho, a vizinha da minha vó foi um dos grandes questionamentos da minha infância. Em uma cidade que faz um calor digno do inferno, ela era a única a ter uma piscina enorme no quintal. Pra que? Só a vi cheia uma vez. Diziam que gastava muita água para encher, mas isso nunca me convenceu. Essa vizinha era do Paraguai, e fazia uma sopa paraguaia digna de deuses. Nossa, como esquecer de como era divertido pensar que em menos de um minuto, até caminhando, podia-se estar em outro país? Não que Bella Vista Norte fosse a imagem de viagem ao exterior, cidade pequena e pobre. Mas com coca-cola em mini garrafas! E com chicletes de bolinha colorida e video games. Isso era suficiente. Lembro da época em que comecei a aprender a andar de bicicleta, na rua de terra. Isso me lembra que já levei muitos tombos e me ralei muito por lá. Depois asfaltaram, pra que? Pra ver o asfalto derreter, literalmente. Me sinto tão idiota falando sobre ruas e comidas de que sinto falta, mas ‘recordar é viver’, e só de olhar, de sentir o gostinho daquelas jabuticabas, essas trinta e quatro linhas vieram à minha cabeça. Só queria compartilhar.

E não colocarei parágrafos, porque como dizia José Saramago, eles interrompem o fluxo de pensamento.

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: